Plano de Trabalho para o Movimento Espírita

 

Plano de Trabalho para o Movimento Espírita
(2013-2017)
 
 
 
 
ELEMENTOS DO PLANO E TRABALHO
 
Com base na análise do Movimento Espírita Brasileiro, em seu momento atual, propõe-se este Plano de Trabalho para o quinquênio 2013 a 2017, composto dos seguintes elementos;
 
1. Diretrizes de Ação
 
Definem-se as prioridades institucionais de caráter geral e abrangente.
 
2. Objetivos
 
Estabelecem o que o Movimento Espírita deve alcançar ao longo do período proposto.
 
3. Ações e Projetos
 
Propõem as atividades operacionais para a execução do Plano de Trabalho.
 
As ações e projetos poderão ser realizados pelas Instituições Espíritas do Brasil – especialmente as Entidades Federativas, os Órgãos de Unificação e as Áreas das Comissões Regionais do CFN -, de conformidade com as suas finalidades e no seu âmbito de ação, com o apoio da Federação Espírita Brasileira, e ter o seu desenvolvimento acompanhado nas Reuniões do Conselho Federativo Nacional e nas de suas Comissões Regionais.
 
Recomenda-se estimular a apresentação e o estudo deste Plano de Trabalho em todas as reuniões dos Órgãos de Unificação e nas Instituições Espíritas.
 
4. Avaliação
 
Presta-se à operacionalização de ações de acompanhamento e avaliação do plano de Trabalho.
 
 
DIRETRIZES DE AÇÃO
 
Considerando-se que o Movimento Espírita tem por missão promover e realizar o estudo, a divulgação e a prática da Doutrina Espírita, recomenda-se que suas atividades sejam desenvolvidas dentro das seguintes Diretrizes de Ação:
 
1)     A Difusão da Doutrina Espírita;
2)     A Preservação da Unidade de Princípios da Doutrina Espírita;
3)     A Comunicação Social Espírita;
4)     A adequação dos Centros Espíritas para o atendimento de suas finalidades;
5)     A multiplicação dos Centros Espíritas;
6)     A união dos Espíritas e a Unificação do Movimento Espírita;
7)     A capacitação do trabalhador espírita;
8)     A participação na sociedade.
 
 
DESENVOLVIMENTO
 
Diretriz 1
 
A Difusão da Doutrina Espírita
 
Objetivo
 
  • Difundir a Doutrina Espírita, pelo seu estudo, divulgação e prática, colocando-a ao alcance e a serviço de todas as pessoas indistintamente, independentemente de sua condição social, cultural, econômica ou faixa etária.
 
Justificativas
 
  • A Doutrina Espírita esclarece o ser humano sobre quem é, de onde vem, para onde vai e qual o sentido de sua existência na Terra.
 
  • É o antídoto natural para os problemas do homem, esclarecendo-o e consolando-o em suas necessidades.
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
Realização de amplo trabalho voltado:
 
  •  Ao estudo da Doutrina Espírita;
  •  À difusão dos seus ensinos;
  •  Ao aprimoramento do trabalho de atendimento às pessoas que buscam, nos centros espíritas, acolhimento, consolo, esclarecimento e orientação, de forma integrada, numa ação conjunta entre todas as áreas de trabalho;
  •  À promoção da arte como uma manifestação cultural dos espíritas, que se propõem a aliar os princípios e os valores éticos e morais do Espiritismo às manifestações artísticas em geral, por meio da arte-educação, a serviço do bem e do belo.
 
 
Diretriz 2
 
A Preservação da Unidade de Princípios da Doutrina Espírita
 
Objetivo
 
  • Desenvolver todas as atividades espíritas com base nas obras básicas de Allan Kardec, que constituem a Codificação Espírita, assegurando a unidade desses princípios em todos os trabalhos realizados e divulgados como atividades espíritas.
 
Justificativas
 
  • Allan Kardec empregou as palavras Doutrina Espírita e Espiritismo para definir o conjunto de ensinamentos que os Espíritos superiores revelaram o qual está contido nas suas obras básicas, que constituem a Codificação Espírita. (O Livro dos Espíritos. FEB. Introdução, it.1.) Desta forma, somente poderão ser designados como “espírita” e identificados como “Doutrina Espírita” ou “Espiritismo” os conceitos, as atividades e as realização que sejam compatíveis com os princípios doutrinários contidos nas referidas obras.
 
  • No mundo, sempre ocorreram e continuarão ocorrendo fatos e atividades mediúnicas, que envolvem a comunicação e o relacionamento com os Espíritos. Atividade mediúnica espírita, todavia, é somente aquela exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.
 
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Realização de campanhas de esclarecimento sobre o que é Espiritismo.
  • Ampla divulgação do folheto Conheça o Espiritismo, analisado e aprovado pelo Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira e pelo Conselho Espírita Internacional.
 
  • Promoção e realização do estudo metódico, constante e sistematizado da Doutrina Espírita.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros, seminários e oficinas de trabalho, voltado ao esclarecimento sobre a Doutrina Espírita.
 
Diretriz 3
 
A Comunicação Social Espírita
 
Objetivos
 
  • Contribuir para o aprimoramento do processo de comunicação nas instituições espíritas, considerando que a comunicação, como ato natural e humano, permeia todas as atividades internas e facilita os relacionamentos individuais e coletivos.
 
  • Promover a difusão da Doutrina Espírita, de forma planejada e contínua, com base nos princípios doutrinários, direcionando a mensagem aos diferentes públicos, conforme as faixas etárias, os níveis culturais, sociais e econômicos, e selecionar os meios de comunicação lícitos e compatíveis com a ética preconizada pela Doutrina Espírita.
 
Justificativas
 
  • A comunicação é fator fundamental no relacionamento humano, que se estabelece dentro das Instituições Espíritas e deve ser aprimorada, gradativamente, para a preservação do diálogo fraternal entre os colaboradores e, sobretudo, da interatividade com os diferentes segmentos de público presentes na Instituição.
 
  • Os princípios da Doutrina Espírita devem ter a maior visibilidade possível, por meio da Mídia adequada, de modo a facilitar o acesso da mensagem do Espiritismo a todas as pessoas, para que ele se torne mais conhecido e compreendido.
 
  • A difusão adequadamente planejada proporciona o correto conhecimento da Doutrina Espírita e beneficia a todos que se propõem aprofundar no seu estudo.
 
  • A Comunicação Social Espírita bem orientada, seja na relação interpessoal nas Instituições Espíritas, seja na relação com o grande público externo, preserva a imagem (positiva) da Instituição que dela faz uso e, consequentemente, contribui para o fortalecimento e a estabilidade da imagem pública do próprio Movimento Espírita como um todo.
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Realização de Oficinas de comunicação para os trabalhadores da Instituição, visando ao aprimoramento da comunicação interpessoal e coletiva.
 
  • Promoção de cursos regulares de expositores da Doutrina Espírita, nos quais a teoria se alie à prática de falar em público, com conteúdo, técnica e simpatia.
 
  • Intensificação de difusão do livro em várias modalidades (livraria, biblioteca, clube, feira, banca externa, etc.), como instrumento básico da divulgação do ensino espírita.
 
  • Ampliação e fortalecimento da divulgação da Doutrina Espírita pela Mídia (televisão, internet, rádio, cinema, jornal, revista, outdoor, etc. Vide Manual de Comunicação Espírita. FEB, 2011).
 
  • Realização de encontros, seminários e outras formas pedagógicas de estudo, visando à atualização do conhecimento dos trabalhadores em relação às inovação (tecnológicas, legislação, direitos autorais, etc.) no campo da Comunicação Social.
 
Diretriz 4
 
A adequação dos Centros Espíritas para atendimento de suas finalidades
 
Objetivo
 
  • Adequar os Centros Espíritas para a realização do seu trabalho de estudo, difusão e prática da Doutrina Espírita, desdobrado nas atividades doutrinárias, assistenciais, administrativas e de unificação.
 
Justificativas
 
  • Os Centros Espíritas são núcleos de estudo, de oração e de trabalho; são escolas de formação espiritual e moral; soa postos de atendimento fraternal a todos os necessitados; são oficinas de solidariedade; são casas onde toda a família se reúne, são recantos de paz; são as unidades fundamentais do Movimento Espírita. (Folheto Divulgue o Espiritismo.)
 
  • Assim como a principal atividade dos Centros Espíritas é bem atender às pessoas que os buscam (acolhendo, consolando, esclarecendo, orientando e integrando), a atividade fundamental das Entidades Federativas é também a de oferecer apoio e colaboração aos Centros Espíritas, que são a base de sua constituição.
 
  • Os Centros Espíritas, de forma geral, necessitam de orientação, apoio e estímulo para o desenvolvimento seguro de suas atividades.
 
  • Toda atividade doutrinárias desenvolvida pelo Centro Espírita deve ser gratuita.” (Equipe Secretaria Geral do CFN. Orientação ao Centro Espírita. FEB, 2007, cap. IX, it. 6, subit. c.)
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Promoção e realização de estudo aprofundado e constante dos textos aprovados pelo Conselho Federativo Nacional, que visem colaborar com o Centro Espírita no desenvolvimento de suas atividades: Orientação ao Centro Espírita, Conheça o Espiritismo e Divulgue o Espiritismo.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros, seminários e oficinas de trabalho, voltados ao aprimoramento, à ampliação e à multiplicação das atividades dos Centros Espíritas.
 
  • Promoção de Campanhas para estimular e esclarecer os trabalhadores, colaboradores e freqüentadores do Centro Espírita sobre a importância da realização do Evangelho no Lar, com base na Campanha do CFN: “ O Evangelho no Lar e no Coração”.
 
  • Promoção de ações de esclarecimento de que:
 
A sustentação financeira do Centro Espírita deve decorrer de contribuições espontâneas, colaborações de sócios e outros meios de obtenção constante de recursos financeiros, observando sempre rigoroso critério ético-moral-espírita, evitando o uso de tômbolas, bingos, rifas, bailes beneficentes ou outros meios desaconselháveis ante a Doutrina Espírita. (Op. cit. cap. IX, it. 6, subit. d.)
 
O Centro Espírita deve preservar a sua independência administrativa. O recebimento de doações, contribuições e subvenções, assim como a assinatura de convênios de qualquer procedência, não podem estar subordinados à aceitação de compromissos que desvirtuem ou comprometam, a qualquer título, o caráter espírita da Instituição ou que a impeçam de atender ao norma desenvolvimento de suas atividades. (Op. cit. cap. IX, it.6, subit. f.)
 
Diretriz 5
 
A Multiplicação dos Centros Espíritas
 
Objetivos
 
  • Promover a implantação de novos Centros Espíritas, devidamente organizados e com adequada orientação doutrinária e assistencial, em locais onde se façam necessários, com a finalidade de atender à Sociedade, descentralizando e interiorizando a ação espírita.
 
  • Estimular a criação de Centros Espíritas como “núcleos que se caracterizam pela simplicidade própria das primeira casas do Cristianismo nascente”. (Op. cit. cap. Os Centros Espíritas.)
 
  • Considerar “[...] que toda a formação espírita guarda raízes nas fontes do Cristianismo simples e claro, com finalidades morais distintas, no aperfeiçoamento da alma, expressando aquele Consolador que Jesus prometeu aos tempos novos”. (Justiça Divina, Emmanuel/Chico Xavier. 13ª Ed. 2ª reimp. FEB 2010. cap. Invocações.)
 
Justificativas
 
  • “É indispensável manter o /Espiritismo, qual foi entregue pelos Mensageiros Divinos a Allan Kardec, sem compromissos políticos, sem profissionalismo religioso, sem personalismo religioso, sem personalismos deprimentes, sem pruridos de conquistas e poderes terrestres transitórios”. (Mensagem Unificação, Bezerra de Menezes/Chico Xavier. Publicada em Reformador, ano 93, nº 1.761, p.11(274), dez 1975. Ver também: Equipe Secretaria Geral do CFN. Orientação aos Órgãos de Unificação. FEB 2011. cap. VI e VII.)
 
  • “[...] vinte grupos, de quinze a vinte pessoas, obterão mais e muito mais farão pela propaganda, do que uma assembléia de trezentos ou quatrocentos indivíduos.” (O Livro dos Médiuns – Allan Kardec. FEB, 2008. pt. 2, cap. XXIX, it. 335.)
 
  • “[...] Cada companheiro, cada agrupamento e cada país terão do Espiritismo o que dele fizerem. Cremos seja possível sintetizar diretrizes para nós todos no seguinte programa: sentir em bases de equilíbrio, pensar com elevação, falar construtivamente, estudar sempre e servir mais.” – William James. (Chico Xavier / Waldo Vieira, Entre irmãos de outras terras. Espíritos diversos. 8ª Ed. 3ª reimp. FEB 2010. cap.5.)
 
  • “[...] Mantenhamos o propósito de irmanar, aproximar, confraternizar e compreender, e, se possível, estabeleçamos em cada lugar, onde o nome do Espiritismo apareça por legenda de luz,m um grupo de estudo, ainda que reduzido, da Obra Kardequiana, à luz do Cristo de Deus [...]” (Mensagem Unificação – Bezerra de Menezes / Chico Xavier. Publicada em Reformador, ano 93, nº 1761 p. 11(274), dez. 1975. Ver também Secretaria Geral do CFN. Orientação aos Órgãos de Unificação. FEB, 2011. cap. VI e VII.)
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Promoção de estudos e providências, voltados à criação de novos Centros Espíritas com a finalidade de melhor atender às pessoas que procuram o Centro Espírita com o objetivo de serem acolhidas, consoladas, esclarecidas, orientadas e integradas nas atividades por ele desenvolvidas.
 
  • O processo de interiorização da expansão dos Centros Espíritas é de extrema importância para atender à população, não só com dificuldades materiais, sociais, financeiras e de locomoção, mas também que anseia e necessita receber ações de acolhimento consolo, esclarecimento, orientação e integração às atividades espíritas.
 
  • Adequação dos Centros Espíritas para a realização do seu trabalho de estudo, divulgação e prática da Doutrina Espírita, desdobrado nas atividades doutrinárias, assistenciais, administrativas e de unificação.
 
Diretriz 6
 
A União dos Espíritas e a Unificação do Movimento
 
Objetivos
 
  • Desenvolver o trabalho de união dos espíritas e dos Centros Espíritas, assim como o de unificação do Movimento Espírita, como natural vivência dos ensinos espíritas e como atividades indispensável ao fortalecimento, à ampliação e ao aprimoramento da ação do Movimento Espírita em todas as suas realização.
 
  • Promover e realizar atividades que possibilitem a troca de informações e de experiências, a ajuda recíproca e o trabalho conjunto entre os Centros Espíritas.
 
  • Promover e realizar atividades que possibilitem a troca de informações e de experiências, a ajuda recíproca e o trabalho em conjunto entre os Órgãos de Unificação, assim como entre as Entidades Especializadas.
 
  • Oferecer condição para o conhecimento e a implementação das recomendações e campanhas aprovadas e lançadas pelo Conselho Federativo Nacional da FEB, em especial, estimulando e orientando quanto à importância da vivência evangélica na família, como case na Campanha do CFN da FEB; “O Evangelho no Lar e no Coração”.
 
  • Estimular o estudo interpretativo do Evangelho de Jesus, à luz da Doutrina Espírita.
 
Justificativas
 
  • “[...] Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre acabada a obra”. – O Espírito de Verdade – O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec, 130ª ed. 3ª reimp. FEB, 2012. cap. XX. it.5.)
 
  • “O serviço da unificação em nossas fileiras é urgente [...] porque define objetivo a que devemos todos visar; mas não apressado, porquanto não nos compete violentar consciência alguma.” (Mensagem Unificação – Bezerra de Menezes / Chico Xavier. Publicada em Reformador, ano 93, nº 1.761, p. 11(274), dez 1975. Ver também: Equipe Secretaria Geral do CFN. Orientação aos Órgãos de Unificação. FEB 2011. cap. VI e VII.)
 
  • “Não vos conclamamos à inércia, ao parasitismo, à aceitação tácita, sem a discussão ou o exame das informações. Convidamos-vos à verdadeira dinâmica do amor”. – Bezerra de Menezes. (Unificação paulatina, união imediata, trabalho incessante. Mensagem psicofônica, recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, em 20.04.1975. Publicada em Reformador, ano 94. nº 1.763, p. 19(43), fev. 1976.)
 
  • “Recordemos a palavra de Jesus, que “a casa dividida rui”; todavia ninguém pode arrebentar um feixe de varas que se agregam numa união de forças.” – Bezerra de Menezes – (Op. cit.)
 
  • O desenvolvimento do Movimento Espírita consolida-se com diretrizes que assegurem a união no trabalho e a unidade de princípios doutrinários.
 
  • O trabalho do Movimento Espírita consolida-se, também, com os hábitos adquiridos na permuta de informações e esclarecimentos, na prática do diálogo e do convívio fraterno, na ajuda recíproca e, acima de tudo, na união de esforços com vistas à realização do claro objetivo de estudar, divulgar e praticar a Doutrina Espírita.
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Promoção e realização de amplo trabalho para tornar bem conhecidos, a todos os Centros Espíritas, os textos que, dentro dos princípios espíritas, colaboram na execução de suas atividades, tais como: Orientação ao Centro Espírita; Conheça o Espiritismo; Divulgue o Espiritismo; Diretrizes da Dinamização das Atividades Espíritas – Orientação aos Órgãos de Unificação.
 
  • Difusão ampla de programas de apoio às atividades dos Centros Espíritas, tais como: os de Atendimento Espiritual, em especial da vivência do Evangelho na família, com base na Campanha do CFN da FEB: “O Evangelho no Lar e no Coração”; de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita; de Estudo, Educação e Prática da Mediunidade; de infância e Juventude; do Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita; de Comunicação Social e de Orientações Administrativas e Jurídicas.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros, seminários e oficinas de trabalho, voltados à capacitação e ao aprimoramento dos trabalhadores espíritas sobre as atividades de unificação
 
  • Promoção e realização de visitas aos Centros Espíritas, levando o apoio fraternal de que possam eventualmente necessitar.
 
  • Estímulo ao desenvolvimento de ações, pelos Órgãos de Unificação, que contemplem o registro e a memória do Movimento Espírita.
 
Diretriz 7
 
A Capacitação do Trabalhador Espírita
 
Objetivos
 
  • Assegurar permanente capacitação dos trabalhadores espíritas para a gestão do Centro Espírita.
 
  • Assegurar permanente capacitação dos trabalhadores espíritas para todas as atividades doutrinárias, assistenciais, administrativas e de unificação.
 
  • Assegurar permanente capacitação dos trabalhadores espíritas para acolher, consolar, esclarecer, orientar e integrar as pessoas que chegam ao Centro Espírita, atendendo-as em suas necessidades espirituais, morais e materiais.
 
  • Estimular o relacionamento intra e interpessoal dos trabalhadores do Centro Espírita, buscando seu bem estar e a convivência fraterna indispensável à execução das tarefas.
 
Justificativas
 
  • Para desenvolver adequadamente suas atividades, o Centro Espírita necessita de equipe de gestão preparada.
 
  • Para desenvolver com segurança suas ações, os trabalhadores do Centro Espírita necessitam de conhecimento doutrinário e específico das áreas em que atuam.
 
  • Cabe aos trabalhadores espíritas acolher, esclarecer e integrar fraternalmente as pessoas que chegam e que frequentam o Centro Espírita.
 
  • Cabe aos trabalhadores do Centro Espírita colocar em prática o ensino de Jesus: “Todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”. (João, 13:35.)
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Promoção e realização de ações de capacitação de trabalhadores espíritas, tomando por base as obras da Codificação Espírita e os textos aprovados pelo Conselho Federativo da FEB, destinados às atividades dos Centros Espíritas e dos Órgãos de Unificação do Movimento Espírita: Adequação do Centro Espírita para o melhor atendimento de suas finalidades; Orientação ao Centro Espírita; Diretrizes da Dinamização das Atividades Espíritas – Orientação aos Órgãos de Unificação; Conheça o Espiritismo e Divulgue o Espiritismo.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros e oficinas de trabalho, voltados à capacitação do trabalhador espírita em todas as suas atividades.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros e seminários voltados às relações interpessoais e ao acolhimento, consolo, esclarecimento, orientação e integração entre os trabalhadores e entre eles e as pessoas que freqüentam o Centro Espírita.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros, seminários e oficinas de trabalho, voltados à capacitação do dirigente espírita, para construção de ações estratégicas, visando atingir os objetivos institucionais.
 
  • Promoção e realização de cursos, encontros, seminários e oficinas de trabalho, voltados à capacitação do dirigente espírita, para excelência na gestão administrativa.
 
  • Criação de um espaço onde ocorram a auto avaliação das equipes e a verificação das demandas, para averiguar, dentro das condições vividas e num determinado período de tempo, o andamento das ações educativas com vistas ao compartilhamento das experiências.
 
Diretriz 8
 
A Participação na Sociedade
 
Objetivos
 
  • Participar de forma mais efetiva junto à sociedade e aos órgãos do Poder Público, contribuindo no encaminhamento de assuntos de interesse social, sempre de forma compatível com os princípios espíritas.
 
  • Estimular o atendimento solidário a pessoas e comunidades em vulnerabilidade e risco social, respeitando-se a legislação vigente.
 
  • Desenvolver programas de atividades institucionais, doutrinárias e promocionais, utilizando a arte, segundo os princípios e valores éticos e morais do Espiritismo.
 
Justificativa
 
  • Cabe ao Movimento Espírita, pelos seus representantes, colaborar, tanto quanto possível, na análise e no encaminhamento de assuntos de interesse social, levando a contribuição e o posicionamento da Doutrina Espírita.
 
Ações e Projetos
(Sugestões para as atividades das Instituições Espíritas)
 
  • Promoção e realização de cursos encontros, seminários e oficinas de trabalho, visando ao esclarecimento aprofundado sobre o assunto.
 
  • Participar, nos termos da Lei, em Conselhos e Organismos Governamentais, cujos objetivos sejam compatíveis com os princípios espíritas.
 
  • Participação em ações, campanhas e organização das sociedades civis e religiosas, cujos objetivos sejam compatíveis co9m os princípios espíritas.
 
“[...] Quando, bem compreendido, se houver identificado com os costumes e as crenças, o Espiritismo transformará os hábitos, os usos e as relações sociais [...] – Fénelon – ( Allan Kardec - O Livro dos Espíritos, questão 917).
 
(Aprovado na Reunião Ordinária do Conselho Federativo Nacional de Federação Espírita Brasileira, em Brasília, no dia 10 de novembro de 2012). Suplementos de “Reformador” – Ano 131 – nº 2.207 – Fevereiro 2013.
 
FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
Publicado em Suplemento de Reformador de FEV/2013