175 - Mudança


 
"Mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém." – (Lucas, 9:53).
 
Digna de nota a presente passagem de Lucas.
 
Reparando os samaritanos que Jesus e os discípulos se dirigiam a Jerusalém, negaram-se a recebê-los.
 
Identificaram-nos pelo aspecto.
 
Se fossem viajores com destino a outros lugares, talvez lhes oferecessem hospedagem, reconforto, alegria...
 
Não se verifica, até hoje, o mesmo fenômeno com os verdadeiros continuadores do Mestre?
 
Jerusalém, para nós, simboliza aqui testemunho de fé.
 
E basta que alguém se encaminhe resolutamente a semelhante domínio espiritual, para que os homens comuns, desorientados e discuti dores, lhe cerrem as portas do coração.
 
Os descuidados, que rumam na direção dos prazeres fáceis, encontram imediato acolhimento entre os novos samaritanos do mundo.
 
Mulheres inquietas, homens enganadores e doentes espirituais bem apresentados possuem, por enquanto, na Terra, luzida assembléia de companheiros.
 
Todavia, quando o aprendiz de Jesus acorda na estrada humana, verificando que é indispensável fornecer testemunho da sua confiança em Deus, com a negação de velhos caprichos, na maior parte das vezes é constrangido a seguir sem ninguém.
 
É que, habitualmente, em tais ocasiões, o homem se revela modificado.
 
Não dá a impressão comum da criatura disposta a satisfazer-se.
 
É alguém resolvido a renunciar aos próprios defeitos e a anulá-los, a golpes de imenso esforço, para esposar a cruz redentora que o identificará com o Mestre Divino...
 
Por essa razão, mesmo portas a dentro do lar, quase sempre não será plenamente reconhecido, porque seu aspecto sofreu metamorfose profunda... Ele mostra o sinal de quem tomou o rumo da definitiva renovação interior para Deus, disposto a consagrar-se ao eterno bem e a soerguer seu coração no grande caminho...