122 - Entendamo-nos


 
"Mas, sobretudo, tende ardente caridade uns para com os outros." - Pedro (I Pedro, 4:8).
 
Não existem tarefas maiores ou menores. Todas são importantes em significação.
 
Um homem será respeitado pelas leis que implanta, outro será admirado pelos feitos que realiza. Mas o legislador e o herói não alcançariam a evidência em que se destacam, sem o trabalho humilde do lavrador que semeia o campo e sem o esforço apagado do varredor que contribui para a higiene da via pública.
 
Não te isoles, pois, no orgulho com que te presumes superior aos demais.
 
A comunidade é um conjunto de serviço, gerando a riqueza da experiência. E não podemos esquecer que a harmonia dessa máquina viva depende de nós.
 
Quando pudermos distribuir o estímulo do nosso entendimento e de nossa colaboração com todos, respeitando a importância do nosso trabalho e a excelência do serviço dos outros, renovar-se-á a face da Terra, no rumo da felicidade perfeita.
 
Para isso, porém, é necessário nos devotemos à assistência recíproca, com ardente amor fraterno...
 
Amemos a nossa posição na ordem social, por mais singela ou rudimentar, emprestando ao bem, ao progresso e à educação as nossas melhores forças.
 
Seremos compreendidos na medida de nossa compreensão.
 
Vejamos nosso próximo, no esforço que despende, e o próximo identificar-nos-á nas tarefas a que nos dedicamos.
 
Estendamos nossos braços aos seres que nos cercam e eles nos responderão com o melhor que possuem.
 
O capital mais precioso da vida é o da boa-vontade. Ponhamo-lo em movimento e a nossa existência estará enriquecida de bênçãos e alegrias, hoje e sempre, onde estivermos.