100 - Ausentes

 

"Ora, Tomé, um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio." – (João, 20:24).
 
Tomé, descontente, reclamando provas, por não haver testemunhado a primeira visita de Jesus, depois da morte, criou um símbolo para todos os aprendizes despreocupados das suas obrigações.
 
Ocorreu ao discípulo ausente o que acontece a qualquer trabalhador distante do dever que lhe cabe.
 
A edificação espiritual, com as suas bênçãos de luz, é igualmente um curso educativo.
 
O aluno matriculado na escola, sem assiduidade às lições, apenas abusa do estabelecimento de ensino que o acolheu, porquanto a simples ficha de entrada não soluciona o problema do aproveitamento. Sem o domínio do alfabeto, não alcançará a silabação. Sem a posse das palavras, jamais chegará à ciência da frase.
 
Prevalece idêntico processo no aprimoramento do espírito.
 
Longe dos pequeninos deveres pata com os irmãos mais próximos, como habilitar-se o homem para a recepção da graça divina? Se evita o contacto com as obrigações humildes de cada dia, como dilatar os sentimentos para ajustar-se às glórias eternas?
 
Tomé não estava com os amigos quando o Mestre veio. Em seguida, formulou reclamações, criando o tipo do aprendiz suspeitoso e exigente.
 
Nos trabalhos espirituais de aperfeiçoamento, a questão é análoga.
 
Matricula-se o companheiro, na escola de vida superior, entretanto, ao invés de consagrar-se ao serviço das lições de cada dia, revela-se apenas mero candidato a vantagens imediatas.
 
Em geral, nunca se encontra ao lado dos demais servidores, quando Jesus vem; logo após, reclama e desespera.
 
A lógica, no entanto, jamais abandona o caminho reto.
 
Quem desejar a bênção divina, trabalhe pela merecer.
 
O aprendiz ausente da aula não pode reclamar benefícios decorrentes da lição.