49 - União fraternal


 
"Procurando guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz." - Paulo (Efésios, 4:3).
 
À frente de teus olhos, mil caminhos se descerram, cada vez que te lembras de fixar a vanguarda distante.
 
São milhões de sendas que marginam a tua.
 
Não olvides a estrada que te é própria e avança, destemeroso.
 
Estimarias, talvez, que todas as rotas se subordinassem à tua e reportas-te à união, como se os demais viajores da vida devessem gravitar ao redor de teus passos...
 
Une-te aos outros, sem exigir que os outros se unam a ti.
 
Procura o que seja útil e belo, santo e sublime e segue adiante...
 
A nascente busca o regato, o regato procura o rio e o rio liga-se ao mar.
 
Não nos esqueçamos de que a unidade espiritual é serviço básico da paz.
 
Observas o irmão que se devota às crianças?
 
Reparas o companheiro que se dispôs a ajudar aos doentes?
 
Identificas o cuidado daquele que se fez o amigo dos velhos e dos jovens?
 
Assinalas o esforço de quem se consagrou ao aprimoramento do solo ou à educação dos animais?
 
Aprecias o serviço daquele que se converteu em doutrinador na extensão do bem?
 
Honra a cada um deles, com o teu gesto de compreensão e serenidade, convencido de que só pelas raízes do entendimento pode sustentar-se a árvore da união fraterna, que todos ambicionamos robusta e farta.
 
Não admitas que os outros estejam enxergando a vida através de teus olhos.
 
A evolução é escada infinita. Cada qual abrange a paisagem de acordo com o degrau em que se coloca.
 
Aproxima-te de cada servidor do bem, oferecendo-lhe o melhor que puderes, e ele te responderá com a sua melhor parte.
 
A guerra é sempre o fruto venenoso da violência.
 
A contenda estéril é resultado da imposição.
 
A união fraternal é o sonho sublime da alma humana, entretanto, não se realizará sem que nos respeitemos uns aos outros, cultivando a harmonia, à face do ambiente que fomos chamados a servir. Somente alcançaremos semelhante realização "procurando guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz".