9 - Estejamos contentes

 

Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. - Paulo (I Timóteo, 6:8.)

 O monopolizador de trigo não poderá abastecer-se à mesa senão de algumas fatias de pão, para saciar as exigências da sua fome.

O proprietário da fábrica de tecidos não despenderá senão alguns metros de pano para a confecção de um costume, destinado ao próprio uso.
 
Ninguém deve alimentar-se ou vestir-se pelos padrões da gula e da vaidade, mas sim de conformidade com os princípios que regem a vida em seus fundamentos naturais.
 
Por que esperas o banquete, a fim de ofereceres algumas migalhas ao companheiro que passa faminto?
 
Por que reclamas um tesouro de moedas na retaguarda, para seres útil ao necessitado?
 
A caridade não depende da bolsa. É fonte nascida no coração.
 
É sempre respeitável o desejo de algo possuir no mealheiro para socorro do próximo ou de si mesmo, nos dias de borrasca e insegurança, entretanto, é deplorável a subordinação da prática do bem ao cofre recheado.
 
Descerra, antes de tudo, as portas da tua alma e deixa que o teu sentimento fulgure para todos, à maneira de um astro cujos raios iluminem, balsamizem, alimentem e aqueçam...
 
A chuva, derramando-se em gotas, fertiliza o solo e sustenta bilhões de vidas.
 
Dividamos o pouco, e a insignificância da boa-vontade, amparada pelo amor, se converterá com o tempo em prosperidade comum..
 
Algumas sementes, atendidas com carinho, no curso dos anos, podem dominar glebas imensas.
 
Estejamos alegres e auxiliemos a todos os que nos partilhem a marcha, porque, segundo a sábia palavra do apóstolo, se possuímos a graça de contar com o pão e com o agasalho para cada dia, cabe-nos a obrigação de viver e servir em paz e contentamento.