154 - Os contrários


“Que diremos pois à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” - Paulo (Romanos, 8:31).
 
A interrogação de Paulo ainda representa precioso tema para a comunidade evangélica dos dias que correm.
 
Perante nosso esforço desdobra-se campo imenso, onde o Mestre nos aguarda a colaboração resoluta.
 
Muitas vezes, contudo, grande número de companheiros prefere abandonar a construção para disputar com malfeitores do caminho.
 
Elementos adversos nos cercam em toda parte.
 
Obstáculos inesperados se desenham ante os nossos olhos aflitos, velhos amigos deixam-nos a sós, situações favoráveis, até ontem, são metamorfoseadas em hostilidades cruéis.
 
Enormes fileiras de operários fogem ao perigo, temendo a borrasca e esquecendo o testemunho.
 
Entretanto, não fomos situados na obra a fim de nos rendermos ao pânico, nem o Mestre nos enviou ao trabalho com o objetivo de confundir-nos através de experiências dos círculos exteriores.
 
Fomos chamados a construir.
 
Naturalmente, deveremos contar com as mil eventualidades de cada dia, suscetíveis de nascer das forças contrárias, dificultando-nos a edificação; nosso dia de luta será assediado pela perturbação e pela fadiga. Isto é inevitável num mundo que tudo espera do cristão genuíno.
 
Em razão de semelhante imperativo, entre ameaças e incompreensões da senda, cabe-nos indagar, bem-humorados, à maneira do apóstolo aos gentios: — “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”