145 - Obreiros


“Procura apresentar-te a Deus aprovado como obreiro que não tem de que se envergonhar.” - Paulo (II Timóteo, 2:15).
 
Desde tempos imemoriais, idealizam as criaturas mil modos de se apresentarem a Deus e aos seus mensageiros.
 
Muita gente preocupa-se durante a existência inteira em como talhar as vestimentas para o concerto celestial, enquanto crentes inumeráveis anotam cuidadosamente as mágoas terrestres, no propósito de desfiá-las em rosário imenso de queixas, diante do Senhor, à busca de destaque no mundo futuro.
 
A maioria dos devotos deseja iniciar a viagem, além da morte, com títulos de santos; todavia, não há maneira mais acertada de refletirmos em nossa posição, com verdade, além daquela em que nos enquadramos na condição de trabalhadores.
 
O mundo é departamento da Casa Divina.
 
Cátedras e enxadas não constituem elementos de divisão humilhante, e
sim degraus hierárquicos para cooperadores diferentes.
 
O caminho edificante desdobra-se para todos.
 
Aqui, abrem-se covas na terra produtiva, ali, manuseiam-se livros para o sulco da inteligência, mas o espírito é o fundamento vivo do serviço manifestado.
 
Classificam-se os trabalhadores em posições diferentes, contudo, o campo é um só.
 
No centro das realidades, pois, não se preocupe ninguém com os títulos condecorativos, mesmo porque o trabalho é complexo, em todos os setores de ação dignificante, e o resultado é sempre fruto da cooperação bem vivida. Eis o motivo pelo qual julgamos com Paulo que a maior vitória do discípulo será a de apresentar-se, um dia, ao Senhor, como obreiro aprovado.