80 - O "não" e a luta


“Mas seja o vosso falar: sim, sim; não, não.” - Jesus (Mateus, 5:37)
 
Ama, de acordo com as lições do Evangelho, mas não permitas que o teu amor se converta em grilhão, impedindo-te a marcha para a vida superior.
 
Ajuda a quantos necessitam de tua cooperação, entretanto, não deixes que o teu amparo possa criar perturbações e vícios para o caminho alheio.
 
Atende com alegria ao que te pede um favor, contudo não cedas à leviandade e à insensatez.
 
Abre portas de acesso ao bem-estar aos que te cercam, mas não olvides a educação dos companheiros para a felicidade real.
 
Cultiva a delicadeza e a cordialidade, no entanto, sê leal e sincero em tuas atitudes.
 
O “sim” pode ser muito agradável em todas as situações, todavia, o “não”, em determinados setores da luta humana, é mais construtivo.
 
Satisfazer a todas as requisições do caminho é perder tempo e, por vezes, a própria vida.
 
Tanto quanto o “sim” deve ser pronunciado sem incenso bajulatório, o “não” deve ser dito sem aspereza.
 
Muita vez, é preciso contrariar para que o auxílio legítimo se não perca; urge reconhecer, porém, que a negativa salutar jamais perturba. O que dilacera é o tom contundente no qual é vazada.
 
As maneiras, na maior parte das ocasiões, dizem mais que as palavras.
 
“Seja o vosso falar: sim, sim; não, não”, recomenda o Evangelho. Para concordar ou recusar, todavia, ninguém precisa ser de mel ou de fel. Bastará lembrarmos que Jesus é o Mestre e o Senhor não só pelo que faz, mas também pelo que deixa de fazer.