A Escada de Jacó

O livro, à semelhança de todos os outros recebidos por Baccelli, tem forma impecável quanto à língua portuguesa, não se detectando nem mesmo erros de digitação.

Mas, o seu conteúdo apresenta pontos que merecem atenção especial do leitor realmente interessado em informações consentâneas com a Doutrina Espírita.

Em nosso trabalho, transcreveremos os trechos que nos chamaram mais a atenção, em itálico, fazendo em seguida os comentários:

“Excetuando a mim, evidentemente, eu não sei o que seria dos homens na Terra sem a abnegação dos anônimos seareiros da Espiritualidade, sem uma mãe ou um pai ou um irmão que vença a barreira das dimensões diferentes e volte para estender as mãos aos que prosseguem lutando na retaguarda! Sinceramente, eu não sei o que haveria de ser dos próprios espíritas sem o estímulo dos companheiros que já realizaram a Grande Travessia!...” (21)

Para que esses anônimos seareiros da Espiritualidade possam comunicar-se é necessário que seja por via mediúnica. Mas como poderá haver comunicação confiável, se ele próprio já fez as seguintes acusações aos médiuns do Sanatório que dirigiu, conforme relata na sua obra “Do Outro lado do Espelho”?: – O médium me acolhe, me agasalha, abre a boca e só deixa passar o que não conflita com os seus pensamentos. Sendo assim, o que vou fazer lá? Passar raiva? Passar raiva, eu passava na condição de doutrinador, de dirigente dos trabalhos mediúnicos do Sanatório, que fui por mais de cinqüenta anos... (159 / 160) – Nós, os consideramos mortos, em matéria de mediunidade temos que nos contentar com percentagem: 30% nossos, 70% do médium... Quando, pelo menos, são 50% para cada lado, vá lá... Raro o médium que nos permite o empate. Isso sem falarmos nos médiuns que vivem colocando palavras inteiramente suas em nossos lábios: é um tal de termos dito, sem termos dito nada... (...) Os médiuns hoje querem improvisar... Quanta mistificação!... (160)

“... poucos são os medianeiros com os quais, efetivamente, podemos contar no serviço de esclarecimento: a maioria trabalha atendendo aos próprios interesses e às suas ambições pessoais.” (19 - 20)

O ataque aos médiuns tem sido uma constante nas obras do Dr. Inácio Ferreira. Já que esse Espírito quer alertar, por que fica só na crítica? Por que não faz como André Luiz que nos mandou advertências mas também orientações? Algumas obras tratam especificamente de mediunidade, como: “Desobsessão”, “Nos Domínios da Mediunidade”, além de outras, onde há referências, sempre no sentido de orientar e não simplesmente criticar. Limitamos nosso comentário às obras recebidas por Chico Xavier, por ser ele o único médium a que o Dr. Inácio se refere.

“Mesmo dentre os que residem em nossas cidades de além-túmulo raros os que revelam certa preocupação com o futuro: continuam vivendo como se quase nada se lhes tivesse alterado ao redor e pouco se interessam pelo que ficou para trás, inclusive suas relações de afeto. Pode lhes parecer estranho o que dizemos, mas assim é: em muitos espíritos, a morte do corpo só faz acentuar a indiferença de seus sentimentos.” (21)

Essa afirmativa contraria frontalmente o que ensinam os Espíritos através de outros médiuns, a começar por Francisco Cândido Xavier. As obras de André Luiz mostram exatamente o contrário: o trabalho que deve ser feito com os recém-desencarnados, no sentido de que não voltem imediatamente aos locais onde passaram seus dias e também que adiem o encontro com familiares e outras afeições.

“Eu já me havia habituado a circular por ali e, portanto, o fazia sem qualquer receio, mesmo quando o Manoel Roberto ou um outro auxiliar não me estivesse acompanhando.” (22)

Será que haveria o perigo de ataque da parte de algum interno? Ou será que o Dr. Inácio busca pôr em relevo a sua coragem, como sempre o faz? Em “Nosso Lar”, aprendemos que os Espíritos desequilibrados, recolhidos às Câmaras de Retificação, ficam em suas enfermarias, não se registrando casos de risco para alguém que circule pelos corredores. Alguém poderá argumentar, dizendo que os internados em Nosso Lar são menos agressivos, mas, nesse caso, os pacientes do Dr. Inácio deveriam – por questão de bonsenso e ordem, sempre presentes em instituições organizadas no Bem – ficar confinados, de modo a não oferecerem risco a ninguém, nem obrigarem os médicos a se fazerem acompanhar de guarda-costas.

“O silêncio era quase total, só interrompido pelo serviço de enfermagem que velava pelos internos da instituição que eu fora chamado a dirigir.” (22)

Não só nesta obra, mas também em outras, nota-se o desejo claro de mostrar-se sempre como dirigente, embora, noutras ocasiões, aparente modéstia.

“Comigo nunca precisará se desculpar; o senhor é um dos poucos que me inspiram respeito e em cuja presença me sinto aliviado..”. (23)

“ — Nunca mantive com alguém um diálogo assim; não me julgava capaz... Eu vivia me escondendo, a sós com minhas vozes e visões...” (29)

“Ora, Inácio – respondeu-me com intimidade –, eu jamais me aborreceria com você. Afinal, o seu coração não tem tamanho!... Sei que você sempre age levado pelo impulso de ajuda”. (262)

Ao longo do livro, o Autor transcreve sempre referências elogiosas à sua pessoa.

“Acordando mal-humorado, respondi ao cumprimento de Manoel Roberto com um simples muxoxo e fui direto para o meu gabinete.” (30)

É difícil crer que alguém que foi colocado por Eurípedes Barsanulfo à frente de um hospital psiquiátrico no Mundo Espiritual ainda tenha crises de mau-humor.

“ — Pior que isso, Manoel – creio que o Odilon concordará –, é quando nos desfiguram os comunicados... Infelizmente, eu já tive que deixar médium falando sozinho! Muitos, à minha revelia, colocaram palavras nos meus lábios...” (42 - 43)

O trabalho, ora sutil, ora escancarado de desacreditar a mediunidade é facilmente detectável. Em todas as obras, o Dr. Inácio ataca os médiuns. É de se observar o subsídio que esse Autor fornece àqueles que procuram desacreditar o fenômeno mediúnico. Se um Espírito esclarecido, a ponto de ser diretor de um hospital no Mundo Maior, não é capaz de verificar, antecipadamente, através de que categoria de médium vai comunicar-se, sendo compelido a deixar sua mensagem a meio...

“ — Concordo em gênero, número e grau – afirmei, não contendo a própria indignação.” (61)

“ —A pretexto de se lutar contra o terrorismo internacional – opinei indignado –, mais uma guerra que o homem trava em nome de Deus; hegemonia política, fanatismo religioso...” (63)

Onde a serenidade de um diretor de hospital psiquiátrico? Sempre indignado!

“Talvez os nossos companheiros no corpo estranhem, mas o fato é que nem todos os espíritos que nos rondam a instituição se revelam em condições de serem amparados por nós, sendo que muitos simplesmente recusam se internarem em um nosocômio de orientação espírita; o preconceito e o fanatismo, como tantas outras mazelas do ser humano, igualmente sobrevivem à morte e prosseguem lhes entravando o progresso...” (69 - 70)

Causa estranheza a localização desse hospital, que parece não estar situado numa colônia espiritual, mas em plena zona de sofrimento, como unidade isolada, com espíritos desequilibrados a rondá-lo. É estranho, também, o fato de ser um hospital espírita. Quais as características que o distinguiriam de outros hospitais citados na literatura mediúnica de vários autores? Sabemos que há comunidades sectárias, que assim permanecem exatamente pela falta dos esclarecimentos que a Doutrina Espírita propicia à criatura, alargando- lhe os conceitos de filiação a um único Deus e, conseqüentemente, ampliando-lhe os horizontes de fraternidade.

Teria Eurípedes Barsanulfo fundado um hospital rotulado sectariamente de espírita, a pondo de se tornar conhecido até em zonas inferiores?

“Aos poucos, fui acompanhando meu declínio físico e intelectual... O enfisema pulmonar crônico me fazia esperar pela morte todos os dias; de forma que, de maneira providencial, gradualmente fui me desapegando de tudo, inclusive do corpo desfigurado pelo tempo.” (83)

Como conciliar esse desapego acima citado com o que o mesmo Espírito disse na obra “Na Próxima Dimensão”? (12):

“Ainda lutando para me adequar à nova realidade, quando vi que a minha biblioteca estava sendo desfeita – o recanto em que eu passava a maior parte do meu tempo ocioso –, provoquei um encontro espiritual com Chico Xavier e, por via mediúnica, solicitei àquela que fora minha esposa no mundo que não continuasse dispersando meus livros: eu ainda necessitava deles, não para compulsá-los, mas é que, depois de perder o corpo, a sensação de perda que nos acomete é muito grande, para que nos conformemos em perder mais alguma coisa.”

Diante de tal afirmativa, fizemos, quando analisamos o livro citado, o seguinte comentário: É estranho, também, o fato de um Espírito em quem seria natural presumir-se equilíbrio e desapego, ter acesso à mediunidade e ter ocupado o tempo de Chico Xavier para dar um recado de sua preocupação com a biblioteca que deixara na Terra. Estava no Mundo Espiritual ou ficara agarrado às coisas materiais? Note-se que se trata de um psiquiatra que estudou Espiritismo durante décadas.

E isso na boca de um diretor de hospital psiquiátrico situado no Mundo Maior!

“ — Para aparecer alguém e colocar tudo a perder, não é, Modesta? Eu não sei o que o Odilon tem a dizer, mas, no que me compete, eu o mandaria às favas... O Espiritismo não tem dono e a mediunidade também não! Se, na condição de espírita, eu tivesse que prestar obediência a alguém, eu não seria espírita! Vocês me conhecem, e neste ponto, sou radical.” (94)

Observe-se o palavreado pouco próprio de quem se diz um Trabalhador do Bem. Assemelha-se mais à fanfarronice própria daqueles que não procuram cultivar a sobriedade, sobriedade que deve ser a marca distintiva das palavras de um médico de almas. Pelo contrário, temos lições claras de incitação à rebeldia. Será que esse Espírito não vê diferença entre obediência empregado/patrão e a disciplina necessária a ser vivenciada entre dois irmãos que trabalham na seara do Cristo, onde um orienta e o outro deve seguir-lhe as recomendações, a fim de que o trabalho se desenvolva com eficiência?

“O espírito obsessor a gente sabe que é obsessor; o adversário da Causa a gente sabe que é adversário; mas o espírita que, a pretexto de defender a pureza doutrinária, é um lobo em pele de cordeiro... Por esse motivo é que eu não aceitava ingerência no Sanatório; se tivesse fraquejado, eles não teriam esperado que desencarnasse, a fim de me colocarem para fora!...” (95)

O Dr. Inácio aqui está advogando em causa própria, pois as suas obras atuais não resistiriam a um exame de Kardec. É fácil acusar de lobo em pele de cordeiro aqueles que lhe analisam a obra. Esse Espírito não aceita, de forma alguma, que alguém avalie o que ele escreve, nem como escreve. Recrimina qualquer apreciação que lhe seja desfavorável, em ataques em que, quase sempre generaliza.

“— A verdade é que todos ainda não passamos de um bando de insanos – esta é a minha opinião.

— À custa de censurar os outros, apontando-lhes os erros e mazelas, disputamos a Preferência Divina, querendo, a qualquer preço, chegar primeiro ao ponto que nos compete: agimos quais se fôssemos “espermatozóides pensantes”, em disputa para, finalmente, alcançar o “óvulo” e fecundá-lo. Que morram os demais! Não são problema nosso! Não procuramos, aos olhos de Deus, nos destacar pelo próprio valor, mas, sim, desmerecendo os “concorrentes”; somos filhos tão personalistas, que queremos o colo do Pai só para nós, mesmo que, para tanto, tenhamos que atentar contra o direito dos nossos irmãos...” (96)

Começando por essa comparação esdrúxula, o Dr. Inácio faz um discurso pessimista, doentio, altamente destrutivo, no qual ele falsamente se inclui, querendo mostrar que os espíritas estão a se combaterem numa luta pela conquista de um céu fácil. Se os espíritas agissem assim, o Espiritismo não teria conquistado o espaço que tem, nem o respeito da sociedade brasileira. Esse Espírito faz questão de ignorar o quanto os espíritas têm feito, apesar de alguns derrotistas como ele. É visão equivocada de quem não quer ver o imenso número daqueles que se entregam, com abnegação e denodo, ao trabalho de evangelização de crianças, de jovens e de adultos, conquistando, pela seriedade e segurança de seu trabalho, cada vez mais a admiração da sociedade. Não quer ver o imenso trabalho de assistência a necessitados, do corpo e da alma, que é desenvolvido pelos espíritas.

“Espiritualmente, americanos e ingleses estarão sendo amparados? Contam com a retaguarda dos espíritos que lhes são afins?” (121)

Será que o Autor não leu a obra “Os Mensageiros” que, no capítulo 18, revela o trabalho de amparo espiritual propiciado indiscriminadamente aos combatentes desencarnados?

“— Acusam-me de “humanizar” em excesso os espíritos, mas, se existe, a diferença entre espírito e matéria é tão tênue... Para onde olho, eu só vejo matéria! Para mim, inclusive, Deus é matéria!” (124)

Vê-se, aí, o desejo de confundir, ao tratar de maneira tão leviana um assunto que foi discutido com seriedade pelo Codificador.

Além disso, nunca se viu na literatura mediúnica, um Espírito usar tanto as páginas de um livro para defender-se daquilo que chama de acusações. No livro “Fala, Dr. Inácio!” (80), queixou-se de um espírita que contou as 25 vezes em que ele se referiu ao cigarro: “— Outro chegou a contar o número de vezes que, em “Sob as Cinzas do Tempo”, se refere ao cigarro...”

Corpos dilacerados voaram a grande distância e, então, um fato inesperado aconteceu: o espírito de uma jovenzinha, não aparentando mais que treze anos de idade, com o abalo da explosão teve, instantaneamente, as faculdades psíquicas dilatadas e pôde ver-nos com nitidez. A sua casa fizera-se em pedaços e os seus familiares simplesmente haviam desaparecido na poeira...

Fixando-se em Odilon que, com certeza, de nós quatro fora quem mais lhe chamara a atenção, a adolescente, trêmula e em pranto convulsivo, correu em sua direção e se lhe atirou aos braços paternais, enlaçando-se-lhe ao pescoço. (181)

A cena acima se passa numa região de conflito no Iraque. É de se estranhar que um Espírito, subitamente libertado do corpo físico por efeito de uma explosão, já goze de tanta desenvoltura e lucidez. E o cordão fluídico, que só foi cortado horas após a desencarnação, no caso de Dimas e Fábio, em Obreiros da Vida Eterna; de Jacó, em Voltei; de Otília, em Além da Morte; e dos cinco jovens acidentados em Nas Fronteiras da Loucura? Poder-se-ia argumentar dizendo que isso não seria impossível para um Espírito altamente evoluído. Mas, um outro argumento se impõe: será que um Espírito de tal elevação, a ponto de não sofrer os efeitos de uma desencarnação violentíssima, iria procurar, como criança indefesa, abrigo nos braços do Dr. Odilon? Estaria essa jovenzinha mais preparada para a desencarnação do que Paulo? É interessante compararmos a situação do Apóstolo com a da jovem Jamile, logo após o golpe mortal: “O valoroso discípulo do Evangelho sentia a angústia das derradeiras repercussões físicas; mas, aos poucos, experimentava uma sensação branda de alívio reparador. Mãos carinhosas e solícitas pareciam tocá-lo de leve, como se arrancassem, tão só nesse contato divino, as terríveis impressões dos seus amargurosos padecimentos. (...) Tentou levantar-se, abrir os olhos, identificar a paisagem. Impossível! Sentia-se fraco, qual convalescente de moléstia prolongada e gravíssima.” Paulo e Estêvão (549).

“A cena era comovedora e, confesso, não consegui conter as lágrimas, que escorreram silenciosas, pelo meu rosto coberto de pó.” (181)

Como é que um Espírito desencarnado fica com o rosto coberto de pó?

“— Qual é o seu nome, minha filha? – perguntou Odilon, com inexcedível ternura.

— Jamile, meu nome é Jamile, senhor! Por favor, não deixem que os soldados me peguem!... Eu morava com minha mãe, minha avó e um irmão menor; o meu pai foi morto antes de a guerra começar... Eu não tenho mais ninguém, por favor, leve-me daqui!...” (182)

Não há nenhuma indicação, na obra, de que a equipe falava árabe, ou algum dialeto daquela região. Como conciliar essa facilidade de comunicação, diante do relato do socorro a desencarnados em campos de batalha, contido no livro “Os Mensageiros”? Pela palavra de Alfredo, fica-se sabendo que no socorro, nesses casos, “para cada grupo de cinqüenta infelizes, as colônias do Velho Mundo fornecem um enfermeiro- instrutor, com quem nos possamos entender, de modo direto.” (99) No livro “Esperanto como Revelação”, lê-se: “Na esfera imediata à moradia humana, porém, o problema da linguagem é daqueles que mais nos afligem o senso íntimo. Ainda aqui, aos milhões, não obstante se nos descerrem horizontes renovadores, achamo-nos separados pela barreira lingüística.” (134) E na obra “Voltei”, Jacob, chegando à Califórnia, onde visitaria Thomas Edison, diz: “Passei a usar o inglês para melhor entenderme.” (136)

“— Doutor, não me deixe morrer! O que houve com os meus braços, que não consigo senti-los? Onde estão o meu pai e a minha mãe, a minha avó e os meus primos? Está doendo muito, Doutor!...” (186)

O menino, sem os dois braços e com o corpo queimado, conseguia vê-lo e saber que se tratava de um “Doutor”, e ainda se comunicava com ele... Mas em que língua?

“A uns duzentos metros do local, um camelo atingido por tiros de metralhadora agonizava e observei que, de sua boca e narinas, escorria uma substância esbranquiçada.

— O “plasma” daquele pobre animal nos servirá. Teça com ele uma espécie de manta... Não temos tempo a perder!” (186)

O Dr. Inácio fez esse pedido a um companheiro de equipe, e continuou ouvindo o menino:

“— Doutor – voltou a falar-me o menino, cujo espírito eu podia ver quase a destacar-se do organismo físico em lastimável condição – , onde estão os meus braços? Eu queria ser médico como o senhor, mas... e agora? O que farei sem minhas mãos?” (187)

É impressionante que uma criança que teve os dois braços arrancados por uma explosão, e está se esvaindo em sangue, possa falar com tanta tranqüilidade e ainda comentar os planos que tinha para o futuro... Ainda mais com um Espírito desencarnado...

Eu dialogava com o garoto, procurando mantê-lo consciente, até que Manoel Roberto retornasse e o socorro de uma equipe médica nas imediações o conduzisse a um dos poucos hospitais que haviam ficado de pé em Bagdá!

— Eis, doutor, o que pude fazer – disse-me o amigo, estendendo-me uma manta de gaze tenuíssima, com a qual envolvi o corpo de Ismail, também com o propósito de aquecê-lo.” (187)

No livro “Missionários da Luz”, aprendemos que, nos matadouros, espíritos infelizes “sugam as forças do plasma sanguíneo dos animais.” (135) Entretanto, seria de perguntar: se esse recurso é viável, por que os Espíritos, trabalhadores do Bem, não se valem dele para socorro aos encarnados no trabalho regular que fazem a benefício de encarnados?

“Acompanhando meu pequeno paciente até ao veículo à guisa de ambulância, depositei em sua fronte o meu ósculo paternal e não consegui conter as lágrimas, que viraram lama ao se confundirem com o pó!” (188)

Novamente, o corpo espiritual do Dr. Inácio sendo empoeirado pela matéria física...

“Nesse instante, Aldroaldo, que se conservara ao lado de Odilon, se aproximou e disse-me que precisávamos partir; não nos convinha permanecer por mais tempo, pois a onda de saques que começava na capital iraquiana dava ensejo a que outras entidades que, até então, se mantinham escondidas, entrassem em cena, ameaçando-nos a segurança.” (188)

Como é que pode uma equipe que trabalha no Bem temer Espíritos infelizes? Não aprendemos, em dezenas de obras mediúnicas, que os Espíritos inferiores não vêem aqueles que lhes são superiores, a não ser quando estes desejam ser vistos?

“— A questão, meus amigos – ponderou Odilon –, começa com o descaso dos dirigentes espíritas no que se refere à evangelização infanto-juvenil; as nossas crianças e adolescentes não têm o incentivo de freqüentar a casa espírita e, conseqüentemente, não são educados à luz da Doutrina... Os evangelizadores não têm o apoio de que necessitam para levarem adiante a sublime empreitada.” (215)

Realmente, é muito pouca a ênfase dada ao trabalho de evangelização da infância e da juventude, da parte de muitos centros. Mas, a FEB e as Organizações Estaduais e Municipais têm programas para o trabalho. Há, sim, necessidade de um despertamento maior da parte dos Centros Espíritas. Entretanto, o ataque acima é generalizado, o que não é justo...

“Valendo-me do tumulto que se estabelecera no salão da boate, começamos a nos afastar, todavia, vendo um toco de cigarro aceso no chão, apanhei-o e, pedindo a Deus que me perdoasse, sendo o último da fila, retrocedi, sem que os amigos percebessem e, confesso, não resisti à tentação: adentrei o recinto do laboratório instalado no interior da caverna e, com um bastão, derrubei todos os líquidos de natureza inflamável de sobre a mesa, que escorreram em direção a diversas caixas ali depositadas, soprei, para avivar a brasa do guimba de cigarro que recolhera e, sem pensar duas vezes, lancei-o sobre aquela mistura diabólica e, em fração de segundo, o fogaréu se fez, espalhando-se com rapidez...” (254)

Esse, o desfecho da visita feita por uma equipe de Espíritos, guiados por um ex-policial, a uma região das Trevas. (caps. 32 e 33) Se se tratava de simples observação – e o incêndio do Dr. Inácio não estava no programa – por que não se valeram da condição de invisibilidade própria dos Espíritos trabalhadores na seara do Bem, conforme se lê em várias ocasiões em obras de André Luiz?

Qual o proveito dessas descrições minuciosas de zonas de desequilíbrio? Parece que essa onda de terrorismo via mediúnica começou com o livro “O Abismo”, de Rafael Américo Ranieri, que relata, ao longo da obra toda, zonas tenebrosas, com minúcias completamente desnecessárias, numa ânsia doentia, criando quadros negativos nas mentes fracas, ao invés de dar ensinamentos proveitosos.

No livro “Libertação” (54), há o relato de uma visita de Gúbio e André Luiz a uma região semelhante a essa que o grupo em questão teria visitado, mas Gúbio e André Luiz tiveram uma finalidade além da simples observação, qual seja a de entrar em contato com Gregório, objetivando um trabalho aqui na face da Terra. Como eles tinham necessidade de conversar com esse Espírito, fizeram-se visíveis, através de um processo, incômodo e relativamente demorado, de adensamento do corpo espiritual.

Pasmem comigo os prezados leitores, mas o fato é que, em determinado local, fomos abordados por um homem alto, de chapéu na cabeça e surrado sobretudo, que, aproximando-se, puxou conversa e quis negociar – é isto mesmo o que vocês estão lendo – quis negociar a nossa reencarnação, dizendo-nos:

— Posso conseguir para vocês o que pretendem...Conheço toda a gente que mora nas imediações e, talvez, se fizerem questão, os dois podem ir juntos... O meu preço é razoável: se puderem pagar e não forem exigentes em demasia... Hoje, com a disseminação do hábito de beber e do uso de drogas por parte dos jovens, coisas assim ficaram mais fáceis de se obter. O que vocês têm para me dar em troca? Deixarão para trás algum bem que lhes pertença?” (271 – 272)

Estavam, o Dr. Odilon e o Dr. Inácio, providenciando a reencarnação de um matador impenitente que estava internado no hospital, quando encontraram essa estranha criatura acima descrita. Será que reencarnações podem ocorrer desse modo? Espírito desocupado, agindo à margem da Lei, poderia oferecer reencarnação, como se estivesse ao seu alvitre, como um agenciador?

Além do mais, por que dois Espíritos ligados à psiquiatria estariam encarregados de promover a reencarnação de um Espírito, quando se sabe que há trabalhadores especializados em reencarnações?

“Não tivemos que esperar muito. Curtindo tremenda ressaca, o casal se despiu dos trajes mais íntimos e, com certeza, o resto os nossos irmãos nos dispensarão de relatar. Digo-lhes somente que fiquei sem entender quando, após terem atingido o orgasmo, Flávio foi praticamente sugado dos meus braços e, como se o perispírito ainda mais se lhe restringisse, atravessando a barreira das dimensões diferentes, encolheu-se feito um filhote de pássaro no ninho.” (282)

No livro “Missionários da Luz” (207), o instrutor Alexandre, diante da preocupação de André Luiz quanto à possível violação da intimidade do casal, diz o seguinte: “Não é necessária nossa presença ao ato de união celular. Semelhantes momentos do tálamo conjugal são sublimes e invioláveis nos lares em bases retas. Você sabe que a fecundação do óvulo materno somente se verifica algumas horas depois da união genésica. O elemento masculino deve fazer extensa viagem, antes de atingir o seu objetivo.”

Seria lícita a presença dos dois Espíritos no momento íntimo do casal? Poder-se-ia argumentar, dizendo que não constituíam um lar em bases retas, mas, por isso, dois trabalhadores do Bem iriam se prevalecer dessa condição de inferioridade moral dos dois para violar-lhes a intimidade? Será que a ética varia de acordo com o nível moral do ambiente ou da pessoa com a qual se interage, ou ela deve ser absolutamente invariável nas almas bem formadas?

 

José Passini
Juiz de Fora
passinijose@yahoo.com.br